quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

VIDA DE MENINO


Uma Pequena História:

Conheci um menino pobre que foi criado sem pai e a sua mãe era o esteio da casa. As suas necessidades quando supridas era com muito esforço e abnegação. A forma de amor que lhe fora dedicado era rude, pois, deste modo rude a sua mãe fora criada junto a estranhos, por não ter pai e nem mãe a dedicar-lhe o devido afeto. (Quem não recebeu, dificilmente tem para dar).

Este menino foi crescendo com aquela sina e aquilo era um fardo incomodo de carregar.
O mundo cobrava-lhe resultados, mas ele precisava era de amor. Quando falava, emitia julgamentos; diagnósticos e conceitos, mas, com pouco ou nenhum sentimento. As boas obras tinham um custo de obrigação, mas, pouco ou nada provinha do coração.

O tempo foi passando, os resultados materiais foram aparecendo, mas faltava-lhe algo que não conseguia com o esforço do braço ou com a sabedoria. O que lhe faltava gerava um imenso vazio a fustigar-lhe a alma. A paz de espírito era uma refém da ansiedade, que por sua vez uma passageira da desilusão Tudo o que tinha vivido e adquirido, os seus valores eram como meras etiquetas na vitrine do égo.

Nesta “egocentria” o próximo estava distante; Deus era coisa falada, mas, NUNCA CULTUADA; Sua fatídica herança o tornara uma pessoa de resultados para os outros verem, mas, o seu interior era desprovido de amor.

A dor foi o chicote sagaz a conduzi-lo pelos caminhos do coração; o que era máscara, aparências, para nada servia e os olhos da razão voltaram-se ao coração.

Aquele menino teve um ENCONTRO COM DEUS e deste então a sua vida vem mudando dia a dia. O que era uma imposição, hoje é uma mera recordação. Recuperar o tempo perdido é a missão. A vida teve um outro sentido; o passado foi a escola; o presente, um presente divino.

Agregar sentimentos benévolos, eis a questão. Deus nos dará a paga de tudo o que provém do coração.

Dizer que o destino já foi traçado desde a nossa infância é um mero atestado de contentamento com o infortúnio.

Viver é preciso, é preciso viver. Ser feliz eis a questão.

Um menino.