terça-feira, 8 de maio de 2012

A CURA DA ALMA, DO EU INTERIOR


A cura da alma, a cura do eu interior é uma busca incessante por todos aqueles que necessitam sair do opróbrio que suas vidas tem se tornado. Um abismo, chama outro abismo! No entanto, sempre há uma esperança de vitória nesta luta férrea de vida ou morte. Porquanto, na grande maioria das vezes o fio da meada está nas pequenas coisas as quais não damos a elas a sua devida atenção.

Quando o improvável é uma realidade; quando o impossível é uma mera miragem ao longe; certamente  ainda encontraremos algo ao qual devemos nos agarrar com todas as forças do nosso ser. E esta oportunidade real e verdadeira, À ENCONTRAREMOS nas suaves palavras do Senhor Jesus Cristo.

A BUSCA:
Memoráveis obras literárias têm sido escritas com a nobre intenção de ajudar pessoas a saírem do estado depreciativo em que se encontram suas almas, OS SEUS CORAÇÕES. Livros de auto-ajuda no meio secular de igual modo somam-se a este rol iconizado. Porém o principal remédio para que possamos vencer a batalha, desta doença maligna que está ceifando preciosas vidas, está oculto no Livro de Receitas do Doutor Jesus, e poucos a aviam na essência do remédio milagroso.
Longe de nós está a intenção de sobrepor-nos aos demais nesta ardorosa luta de ajudar ao próximo em suas desventuras, mas, em sermos mais um a somar-se no rol daqueles que militam por tão nobre causa.

A DOENÇA:
A alma está doente,  entre suspiros e ais o coração descompassado permeia momentos de grande agonia.  As coisas só dão erradas; não conseguimos mais nos relacionarmos com quase ninguém; há uma solidão sem fim; há uma dor sem consolo; há um vazio que não pode ser mais preenchido. A vida está perdendo o sentido; ás perspectivas para o presente e para o futuro jazem inertes por terra  e indóceis.  O ânimo e a coragem são uma mera utopia no vazio do tempo. Qual seria o o erro cometido? - Qual seria o problema vivido?

ONDE ESTÁ O ERRO?
Na grande maioria das vezes vemos pessoas que desprezam a sua saúde em vícios letais; pessoas envenenadas por raízes da amargura; pessoas que não perdoam erros cometidos; pessoas que são soberbas e autossuficientes, e ainda desprezam ajuda de outrens; pessoas que fazem acepção de pessoas; pessoas possessivas; pessoas que não tem compaixão do seu próximo; pessoas iradas; pessoas que não sabem ouvir, mas querem serem ouvidas; pessoas que não respeitam, mas querem serem respeitadas; pessoas que não obedecem, mas querem ser obedecidas e por fim, pessoas que não amam, mas querem serem amadas.

Com este rol de condições supracitados, certamente é uma porta, é um caminho para um funil psico-somático de inconformidades que levarão pessoas a darem por si mesma o lugar para que o mal adentre ao seu interior e nele faça a sua morada.


O EXAME:
Examinar o doente, ou o que compõe a sua doença faz parte de um todo, para inter-relacionar um diagnóstico idôneo. Porque,  há uma necessidade urgente do esvaziamento desta carga maligna, do tirar este fardo espiritual que está abalando a alma e degradando o corpo.

Porquanto, para tal exame é preciso a humildade do reconhecimento que estamos doentes, e que com às nossas próprias forças não conseguiremos o êxito. Que precisamos esvaziar-nos de nós mesmos para não interferir no processo da cura.


Portanto, a primeira medida está no "Examinais as Escrituras" segundo a ordem do Senhor Jesus Cristo descrita em João 5:39, visando a cura do eu interior pelas Escrituras.

E chamando a si a multidão, com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me. Mc 8:34

CONSTATAÇÕES:
A vida é composta de inúmeras batalhas, porém a maior e mais importante das batalhas, a que talvez seja considerada a mãe de todas as batalhas, é a luta do negar-se a si mesmo, pois isto implica no vencer o “EU INTERIOR”; e o vencendo, em partes, abrem-se as portas para muitas outras vitórias.

A natureza humana, na formação do ego, na grande maioria das pessoas implica em ser competitivo; em ser impositivo e até autoproclamar-se superior aos outros. É o eu interior interagindo no eu sou (isto ou aquilo); eu faço (isso ou aquilo); eu posso (isto ou aquilo) e diversas outras conotações com o mesmo fim.

Quando aceitamos a Cristo como nosso Senhor e Salvador o eu sou, “não é mais eu” (na verdade nunca foi eu e/ou nós), mas, sim o Grande Jeová do “EU SOU O QUE SOU”, enfatizando que O Todo Poderoso, ELE é o EU SOU, ELE É O QUE É, criador do céu e da terra; o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó que estava enviando Moisés ao povo de Israel, citado em Êxodo 3:14.
Corrobora de igual forma o dito por Cristo aos judeus identificando a sua origem: “Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, EU SOU”. João 8:58; Explique-se que Ele vem da eternidade, que estava com Deus na criação; que era Filho de Deus e por ser eterno já existia antes de Abraão; por isso é que tinha mais credibilidade, mais autoridade (toda a autoridade no céu e na terra) que Abraão. Antevê-se que e o EU SOU É ELE e não o eu interior de cada um de nós, existente pela “natureza egocêntrica” humana, antes da aceitação e reconhecimento de Cristo em nossas vidas.

Cristo e o Pai são um (Deus por excelência), subentendidos no EU SOU acima e nós estando Nele devemos estar no mesmo espírito de unidade, ou seja: em um só Espírito.

Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai, e vós em mim, e eu em vós. João 14:20

O produto final da loggia divina é nos dar uma nova identidade para que sejamos cidadãos e cidadãs do céu, como foi perfeitamente justificado pelo Apóstolo Paulo: “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; Gálatas 2:20. A identidade egocêntrica do “eu sou” (isto ou aquilo) passa ser “ELE É” e vive em mim.

O eu em Cristo da nova identidade interior, soma-se aos demais no: NÓS SOMOS partes de um todo, membros de um mesmo corpo; o Corpo de Cristo (A IGREJA DE Cristo).
Os demais atributos egocêntricos como “eu faço” (isso ou aquilo) por estar o eu sou interior já eximido, encaminham-se para uma só direção, a de aceitar o dito no Escriturado Divino:

“Eia agora vós, que dizeis: Hoje, ou amanhã, iremos a tal cidade, e lá passaremos um ano, e contrataremos, e ganharemos; Digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã. Porque, que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e depois se desvanece. Em lugar do que devíeis dizer: Se o Senhor quiser, e se vivermos, faremos isto ou aquilo. Tiago 4:13-15”

Outrossim, de Igual modo o “eu posso” (isto ou aquilo) já é dito de uma outra maneira, demonstrando sempre a interdependência direta de Deus:

Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece. Filipenses 4:13”

Assim sucessivamente a cada uma nova situação o eu depende da permissão ou interação do Deus de Abrão, de Isaque e de Jacó.

O DIAGNÓSTICO:
Diagnosticar o âmago dos porquês deste infortúnio, foca as lentes em “O negar-se a si mesmo”, condizendo com o esvaziar-me de mim mesmo, para que Cristo viva em mim e eu Nele, na grande maioria das pessoas não é uma coisa fácil ou tão simples assim, mas, uma batalha desigual onde o gigante Golias da soberba (do eu sou, eu faço, eu posso) desafia o Davi da humildade (não vivo mais eu, mais Cristo vive em mim). Temos que lutar colocando sempre Deus em primeiro lugar, pois o gigante Golias da soberba está armado até os dentes:

Disse mais o filisteu a Davi: Vem a mim, e darei a tua carne às aves do céu e às bestas do campo. Davi, porém, disse ao filisteu: Tu vens a mim com espada, e com lança, e com escudo; porém eu venho a ti em nome do SENHOR dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem tens afrontado.I Samuel 17:44,45

Atrás do escudo do gigante eu sou (isto ou aquilo) está o reforçado capacete que protege a mente da soberba, revestida com a couraça do eu faço (e aconteço nisso ou naquilo), porque está bem armado com a espada e a lança do eu posso (nisto ou naquilo outro). Os valores são os da soberba em que “eu sou assim”, porque nasci assim, vou morrer assim e ninguém vai mudar o meu jeito de vida. Com estas prerrogativas certamente a cabeça do gigante Golias com a soberba vai rolar, figurado em mim ou em nós se não mudarmos de atitude. A soberba do eu interior uma vez que atuante, nos afasta de qualquer possibilidade de vitória e torna-se uma doença, um mal que impede que Deus faça a sua obra em nossas vidas.

Não tem como servir a dois senhores (o da soberba ou o da humildade), porque há de amar a um e odiar ao outro, pré-figurado em Mateus 6:24, onde as coisas pertinentes à matéria (carne), os valores materiais, não podem sobrepujar aos valores espirituais, por isso: “É necessário que ele cresça e que eu diminua. João 3:30”.

OS SINTOMAS QUANDO A ALMA ADOECE:
Outrossim, quando começam aparecer os problemas que o nosso eu não pode solucionar; o que eu sou nada é; que eu faço, nada faz e o que posso mal pode suportar o peso do fardo, vemos o quão impotentes somos nesta vida sem Jesus. O desanimo bate a nossa porta porque a cruz tornara-se pesada demais. A nossa alma adoecera inapelavelmente e tudo o que pensávamos que éramos virou castelo de areia.

A RECEITA É AVIADA:
A grande estratégia para sermos vencedores destas batalhas está oculta no que Jesus quis dizer quando assim deliberou:
Naquele tempo, respondendo Jesus, disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que “ocultaste” estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque assim te aprouve.

A receita para o cura, com o uso do remédio certo, SÓ É REVELADO (aviada) NO PAPEL DA HUMILDADE, onde para recebe-la é preciso estar na vontade do Pai através do Filho, porque:

Todas as coisas me foram entregues por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar.

Por isso: VINDE A MIM, TODOS OS QUE ESTAIS CANSADOS E OPRIMIDOS, E EU VOS ALIVIAREI. (E finalmente O Segredo da Vitória) Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve. Mateus 11:25-30

O REMÉDIO CERTO:
Quando NOS TORNAMOS HUMILDES para APRENDERMOS AOS PÉS DO SENHOR JESUS, derrotaremos a soberba com A SABEDORIA DA HUMILDADE, que é UM TESOURO OCULTO (só revelado aos pequeninos), onde o CUSTO DO JUGO DO DOUTOR JESUS se torna suave e o seu fardo leve.

A EFICÁCIA DO REMÉDIO:
Depende do cumprir o recomendado pelo Médico dos médicos, pois na SUA TEOLOGIA DE EFICÁCIA DA CURA, CUMPRE-SE PELA FÓRMULA COMPOSTA DO REMÉDIO: por reverencia e por temor a Deus; por obediência; pela doutrina do perdão; no amor ao próximo e em outros, todos devidamente. Escriturados (contidos na bula). Já, os remédios paliativos aviados pelo homem, com as suas vãs filosofias, o faz um mero coadjuvante, atirando ao esmo com suas inglórias metodologias no cenário da vida cristã.

NÃO SE PREOCUPEM:
A cura é certa e o lugar do repouso garantido,:POR ISSO: NÃO se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. João 14:1-3

CONFIEM NO MÉDICO PORQUE:
E esta é a confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve. I João 5:14
Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; PORQUE SEM MIM NADA PODEIS FAZER. João 15:5; E UM OUTRO PORQUE: Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e A VIDA; ninguém vem ao Pai, senão por mim. João 14:6;  POR ISSO: VINDE A MIM TODOS... Mateus 11:28.
                       
RECOMENDAÇÕES PREVENTIVAS:
Todo aquele bom médico certamente fará recomendações aos seus pacientes; com Cristo não poderia diferente, pois é o Médico dos médicos A RECOMENDAR: Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca. Mateus 26:41, POR ISSO: Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia. I Cor. 10:12

RESUMINDO:
As doenças ainda residentes na alma (eu interior), de coisas acontecidas no passado, de como nós éramos no passado que não conseguimos nos desvincular ainda delas (coisas crônicas) mesmo depois de aceitarmos a Jesus, precisam de um tratamento rigoroso com o remédio certo.
A soberba em suas diversas conotações é um impeditivo grave para a cura de muitos outros males, pois o seu efeito colateral (rejeição) é o pior possível. A sua auto-suficiência (alter-égo) em muitos casos não acolhe o saber do próximo e só aceita em partes as coisas que são de Deus.
O ego (uma vaidade), uma soberba da vida, cria valores para si, depreciando os valores divinos.
Quando qualquer uma das faces da soberba é atuante, o seu produto denomina-se rebeldia (rejeitar a), e a rebeldia (rebelar-se contra, não aceitar ordem de) dita por Deus é semelhante a um pecado de feitiçaria:

Se nós não negarmos a nós mesmos, amortecendo (tirando a força) o ego do eu interior (curando), Cristo não viverá em nós e por conseguinte não teremos forças para carregar nossa cruz (não teremos vitória), POIS NÃO SEGUIMOS A CRISTO na verdade em verdade.

CONCLUSÃO:
Se não combatermos o mal em sua raiz, os frutos sempre estarão contaminados. Porque se não negarmos a nós mesmos, é o eu interior e suas mazelas interagindo, não deixando lugar para que Cristo viva em nós e por conseguinte mesmo que sejamos ditos crentes, quando entrarmos na prova, não sairemos do vale sem a humildade (do eu negado), a fé e a esperança naquele que nos fortalece.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:
A cura do eu interior (alma vivente) depende exclusivamente das recomendações divinas e com isso um tratamento certo levará o paciente a uma provável cura. Deus em sua infinita misericórdia sempre terá o remédio certo para tratar as mais improváveis curas.

A felicidade certamente virá através de um novo nascimento no Senhor Jesus Cristo. O amor permeará ás nossas vidas e o vazio e a solidão farão parte de um passado que não mais quereremos lembrar.

Quando entregamos as nossas vidas a Jesus, passamos a olhar para o Autor e Consumador de nossa fé; o fazendo, deixamos o dantes para viver o depois.

Luis Oliveira