quarta-feira, 24 de outubro de 2012

ELOS PARTIDOS

OS MISTÉRIOS que anelam as uniões humanas transpassam o entendimento físico, e adentram a profundidade das riquezas espirituais só reveladas aos que abrirem as suas almas para recebe-las.  As coisas vão muito além do jardim, da igreja e do altar.

PORQUANTO, não se dá o devido crédito, ás divisões, rupturas ou separações, que são anomalias  indesejadas tão corriqueiras nos dias de hoje, e com isso não se dá a devida importância as suas inegáveis consequências.  Mas qual seria então o interesse de escrever sobre tal assunto se ele NÃO CHAMA MAIS A ATENÇÃO?

Pensando nestas desolações é que este post foi inspirado e escrito com o  propósito de levar o amado leitor a refletir sobre ás consequências morais, seculares e religiosas de um elo partido no seio da família, onde irá gerar provavelmente para toda a vida, problemas e traumas para filhos, amigos e irmãos no meio religioso. 

CONSTATAÇÕES:
O CASAMENTO, a instituição familiar, a mais antiga da terra, está em decadência. Os seus valores, símbolos, figuras e princípios, nesta geração "ESTÃO" ou "SÃO" praticamente desconhecidos.

Todas as coisas "NÃO" nascem sem um propósito definido, porém, todas tem as suas funções às quais "SÓ" surtirão efeito "SE" bem ajustadas aos seus fins.

O casamento é "MUITO MAIS" do que um simples ritual estabelecido entre famílias,  testemunhas, padrinhos e convidados. Ele excede ao ato visual e adentra no âmbito espiritual, pois transformar-se-ão em uma só pessoa; isto é: pertencerão um ao outro. Porquanto, o processo de uma escolha entre futuros pares tem de ser criterioso (civil, religioso).

As consequências de uma escolha por mera paixão, ocasião, indicação, obrigação e condição financeira, o será no futuro um obstáculo sem precedentes para que esta união seja estável, pacifica, amorosa e "eterna".

Os precedentes do casamento na historiologia humana homologam que: se não tiver amor, conhecimento, direção divina e propósito, este o será um erro, com consequências drásticas para filhos, familiares e instituições as quais pertencem.

ADVERTÊNCIA: Fica bem claro no que escreveremos daqui para frente tem ás suas exceções como em todo o processo dissertativo; não sendo tudo como se fosse terra arrasada.

HOJE, O CASAMENTO, é uma instituição nos rumos do descrédito; uma instituição que está em decadência; uma instituição que em muitos casos só vive de aparências.

Uma das causas desta triste história efetua-se pela oferta que sobeja de ambos os lados, superando até mesmo a procura. O ficar para ver se vai dar certo é tão bom enquanto dure. Não há em partes um compromisso velado de pureza no resguardo para o  presente ou ao futuro esposo (a), pois, perdeu-se o encantamento na nostalgia do passado.

HOJE, ainda para ajudar muito mais em seu desmonte, há ataques massivo ao casamento e a sua constituição familiar por ATIVISMOS CONTRÁRIOS às "suas origens", MAS QUERENDO SE BENEFICIAR DELAS ILICITAMENTE conforme a instituição divina, onde sobejam na mídia, governos e afins. A sua desmoralização atinge a patamares nunca dantes atingidos.

CONCEITO CASAMENTO (Wikipédia)
Casamento é O VÍNCULO (elo) estabelecido entre duas pessoas, mediante o reconhecimento governamental, religioso ou social e que pressupõe uma relação interpessoal de intimidade, cuja representação arquetípica é a coabitação, embora possa ser visto por muitos como um contrato.[1] Na legislação portuguesa, o casamento é, efectivamente, definido como um contrato.

MATRIMÔNIO (Wikipédia)
A palavra matrimônio, ainda que seja compreendida como sinônimo de casamento, É REFERENTE EXCLUSIVAMENTE À UNIÃO ENTRE UM HOMEM E UMA MULHER, uma vez que deriva de mater, matris (mãe) no latim clássico.
Na maior parte das sociedades, SÓ É RECONHECIDO O CASAMENTO ENTRE UM HOMEM E UMA MULHER.

ETIMOLOGIA (Wikipédia)
A palavra CASAMENTO é derivada de "casa", enquanto que MATRIMONIO tem origem no radical mater ("MÃE") seguindo o mesmo modelo lexical de "patrimônio".[2] Também pode ser do latim medieval casamentu: ATO SOLENE DE UNIÃO ENTRE DUAS PESSOAS DE SEXO DIFERENTE, capazes e habilitadas, com legitimação religiosa e/ou civil.

CASAMENTO CRISTÃO (Bíblia Sagrada)

GÊNESIS 2 (os princípios, as origens)
Ás origens do casamento remonta ao Jardim do Éden, onde vendo Deus que não bom que o homem ficasse só, lhe fez UMA ajudadora.

Todos os animais os quais Deus fizera tinha o seu par e com isso também a sua multiplicação; porquanto, se o homem ficasse só ele não teria posteridade e, era necessário que também na raça humana houvesse a também a sua multiplicação. Portanto, o acasalar (formar casal, casamento) para procriar formando uma família e com isso a garantia de posteridade foi o objetivo divino assim como o fizera com os animais.

Filiação "É" (do verbo ser) originada VERDADEIRAMENTE de uma concepção heterogenia constituída por mãe e pai, diferindo do pai/mãe ou mãe/pai. Conquanto, um filho (a) na  formação de sua personalidade carece de princípios héteros, PORQUE, SENÃO A HUMANIDADE ESTARIA SUJEITA A SUA EXTINÇÃO POR FALTA DE PROCRIAÇÃO.

O que difere da heterogenia "NÃO É CASAMENTO" SEGUNDO OS PRINCÍPIOS DIVINOS e a  sua loggia. Uma união de igualdades até pode ser nominado com uma outra associação, MENOS COMO CASAMENTO.

A HISTORIOLOGIA DA UNIÃO HOMEM MULHER
18  E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.
19  Havendo, pois, o SENHOR Deus formado da terra todo o animal do campo, e toda a ave dos céus, os trouxe a Adão, para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome.
20  E Adão pôs os nomes a todo o gado, e às aves dos céus, e a todo o animal do campo; mas para o homem não se achava ajudadora idônea.
21  Então o SENHOR Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas, e cerrou a carne em seu lugar;
22  E da costela que o SENHOR Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão.
23  E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada.
24  Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.

RESPOSTA BÍBLICA DO SENHOR JESUS CRISTO SOBRE DIVÓRCIO
Casar e separar é tão normal nos dias de hoje que até pode-se associar-se a uma reles troca de residência ao bel prazer dos seus ocupantes. No entanto, pela razão divina nos seus enunciados já começamos a ver no contexto a seguir que os SEUS MISTÉRIOS já naqueles dias ultrapassavam o costumas:

MATEUS 19:1  E ACONTECEU que, concluindo Jesus estes discursos, saiu da Galiléia, e dirigiu-se aos confins da Judéia, além do Jordão;
2  E seguiram-no grandes multidões, e curou-as ali.
3  Então chegaram ao pé dele os fariseus, tentando-o, e dizendo-lhe: É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo?
4  Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que aquele que os fez no princípio MACHO e FÊMEA os fez,
5  E disse: Portanto, deixará O HOMEM pai e mãe, e se UNIRÁ a sua MULHER, e serão dois numa só carne?

6  Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem.

A firme resposta Cristocêntrica no contexto acima, encerra a questão  drasticamente como se não houvesse outra alternativa viável para tal evento, a não ser aquela proferida naquele momento. No entanto, uma eloquente pergunta ecoa em nossas mentes e reverbera em nosso espírito, no porque do SE NÃO DÁ MAIS CERTO independente da sua razão, do PORQUE CONTINUAR AINDA JUNTOS?

A RESPOSTA que irá sanar de uma vez por todas ás nossas dúvidas DESTE MISTÉRIO é nos dada pelo próprio Escriturado bíblico assim descrito pelo Apóstolo Paulo aos Efésios 5:21-33 onde é feito uma analogia comparativa entre Cristo e a Igreja e o marido e a sua esposa assim culminado:


31  Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne.
32  GRANDE É ESTE MISTÉRIO; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja.
33  ASSIM TAMBÉM VÓS, cada um em particular, ame a sua própria mulher como a si mesmo, e a mulher reverencie o marido.

CONCLUSÃO
As pré- rogativas evidenciam de Gênesis a Efésios, concluindo em Apocalipse que não se pode tirar e nem acrescentar nada ao professado no Santo Livro, conclui-se sem sombra de dúvidas que o plano divino quando ao casamento ser UMA SEMELHANÇA, uma figura (uma sombra) da UNIÃO INDISSOLÚVEL do Senhor Jesus Cristo com a sua noiva (igreja), como veremos abaixo:

EM GÊNESIS 2:24  Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.

EM MATEUS 19:5  E disse: Portanto, deixará O HOMEM pai e mãe, e se UNIRÁ a sua MULHER, e serão dois numa só carne?
6  Assim não são mais doismas uma só carnePortanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem.

EM EFÉSIOS 5:31  Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne.

ASSIM COMO  GRANDE É ESTE MISTÉRIO; de Cristo e a sua Igreja (noiva, esposa); ASSIM TAMBÉM VÓS, amem ás suas PRÓPRIAS ESPOSAS como a si mesmos.

Porquanto, "SE" o Senhor Jesus Cristo amando a sua esposa (igreja) NÃO PODE DIVORCIAR-SE DELA; da mesma forma nós não deveríamos nos divorciarmos das nossas esposas.

Ora, bem sabemos que o adultério no que tange ao Senhor Jesus e a Igreja adulterada, como também o adultério entre marido e mulher NÃO É TOLERADO POR DEUS, muito embora dependendo das circunstâncias no arrependimento pode-se ventilar a hipótese de perdão.

Outrossim, como podemos ver, em hipótese alguma a poligamia é nos é permitida. Tudo o que exceder aos mandamentos, preceitos e juízos nos implicará a condenações plenamente fundamentadas.

Que Deus nos ajude a entender um pouco mais as coisas que são de Deus.