quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

A FÉ DEPENDENTE E A FÉ IMPONENTE



TUDO TEM UMA HISTÓRIA
Foto apenas ilustrativa
Nesta madrugada algo me inquietava o espírito, não tendo paradeiro e nem direção do que buscar para aprender, e com isso compartilhar. Na grande maioria das vezes, procuramos a resposta no Senhor através do Santo Livro; já em outras ficamos em frente aos livros esperando a direção do Senhor ao qual consultar.

Desta vez aprouve ao Senhor nos direcionar a ler um livro de um autor positivista da atualidade. De maneira nenhuma devemos desmerecer o trabalho alheio, mas sim tirar proveito daquilo que é verdadeiro, refutando aquilo que não procede dos fundamentos divinos.

Porquanto, sendo sempre como os de Beréia que iam confirmar nas Sagradas Escrituras se verdadeiramente condizia com a realidade das coisas; assim em verificando, aproveitamos o que é salutar e refutamos o que não o é.

UMA BELA OBSERVAÇÃO TEOLÓGICA: Um texto fora do seu contexto é e sempre será pretexto para heresias.


AS RAÍZES DA FÉ
Tudo tem que ter uma origem; tudo tem que ter um berço; tudo tem que ter às suas raízes. Como também a fé mesmo sendo abstrata, invisível e intocada fisicamente, ela tem os seus princípios conceituais:

"ORA, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem."  (Hebreus 11 : 1)

A CONSUMAÇÃO DA FÉ
A autoria e a absorção da fé está patenteada e registrada no nome do Senhor Jesus Cristo. Nele será consumada a fé por Ele inventada:

"Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus."  (Hebreus 12 : 2)

ARTIGOS DA FÉ
Falar sobre fé é mergulhar no universo das magnificências do Todo Poderoso Criador dos céus e da terra. Só Ele pode nos dar o peso certo e a medida certa da fé a ser cultuada, pois as misturas, e os excessos têm desvirtuado, tem tirado a virtude da fé genuína no Senhor das possibilidades.

Se por certo que a fé desprovida da convicção fica perdida ao esmo; a fé excedida ultrapassa os limites do Escriturado Bíblico e adentra ao idealismo humano do tudo posso, sem me ater que nem tudo me convém, e ou nem tudo me é permitido.

Há uma tênue linha que separa a razão da ideologia. A razão tem direitos e deveres; já o idealismo está firmado nos deleites e no consumismo.

O consumismo prima pelo individualismo de exposição vitrinista, onde a bíblia bem nos diz que pedimos e pedimos mal, para gastarmos com os nossos deleites, e isto tem como produto final a vaidade.

"Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites."  (Tiago 4 : 3)

O querer para sobrepor-se, é e sempre será nocivo ao bem coletivo, pois o individualista é desprovido do compartilhamento.


UMA FÉ DEPENDENTE
Uma fé dependente sempre estará submissa a vontade do seu provedor. Isto é, do GRANDE SENHOR JEOVÁ JIREH, Senhor das providências.

A fé dependente não dita slogans deterministas; não se ufana em si mesma; não impõe condições humanistas.

Ela está firmada na humildade do pedir, buscar e bater; ela clama, suplica e implora. Ela sabe que há condições de merecimento, de tempo e de ocasião:

"E SERÁ que, se ouvires a voz do SENHOR teu Deus, tendo cuidado de guardar todos os seus mandamentos que eu hoje te ordeno, o SENHOR teu Deus te exaltará sobre todas as nações da terra. E todas estas bênçãos virão sobre ti e te alcançarão, quando ouvires a voz do SENHOR teu Deus"; (Deuteronômio 28:1-2)

DISSE JESUS: "Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito."  (João 15 : 7)

"Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á."  (Mateus 7 : 7)

A fé dependente entrega, confia e espera; ela sabe que tudo tem o seu tempo determinado por Deus (Eclesiastes 3). Ela é paciente, prudente e esperançosa. (Salmo 40)

A FÉ IMPONENTE
A fé por imposição é resultante da ideologia humana, advinda de filosofias positivistas. Os excessos do positivismo leva ao determinismo, impondo resultados a Deus como se a criatura pudesse pressionar o Criador a seu bel-prazer.

Por certo está que devemos ter uma fé positiva, porém, sem excessos, sempre esperando no Senhor e na sua soberana vontade:

"E esta é a confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve."  (I João 5 : 14)

A fé imponente assoberba-se em textos bíblicos chaves fora do seu contexto; virando pretexto para heresias.

Geralmente a fé imponente prima pelo materialismo imediatista; invertendo os valores espirituais pelos valores materiais. Porquanto, uma obediente vida espiritual nos dará o resultado material como efeito colateral (vide Deuteronômio 28 acima).

 A HUMILDADE DA FÉ
A fé está alicerçada na esperança, pela confiança que há no Senhor Jesus Cristo (I João 5 : 14). Sem isso é o mesmo que estivéssemos jogando pedras no vento, sendo inglório os nossos ufanos arroubos deterministas.

Sem a humildade não há prosperidade espiritual; podemos até termos a prosperidade material, mas se ela não estiver embasada numa boa vida espiritual, ela, será efêmera e passageira.

"Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte;"  (I Pedro 5 : 6)

"E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra."  (II Crônicas 7 : 14)

CONCLUSÃO
A palavra divina é imutável; e sem ela os resultados podem até aparecerem, no entanto, o serão apenas de aparências terrenas, perdendo-se no vazio do tempo, levando-nos a perda da salvação no Senhor Jesus Cristo.

Que nós nesta última hora venhamos a nos firmar verdadeiramente nos valores espirituais, pois somos peregrinos nesta terra e dela nada levamos. Porquanto, são somente os valores espirituais bem vividos que nos levarão a celeste pátria, onde as ruas são de ouro e os muros são de cristal.

Verdadeiramente ao Senhor Jesus Cristo seja dada toda honra e glória para todo o sempre.

Amém.