sexta-feira, 26 de abril de 2013

O MENÚ DO EVANGÉLHO: AO SEU DISPOR!

Temos toda a espécie de pratos segundo o vosso gosto!
- O Garçom:  "Às ordens"! - O que vai ser desta vez?
- O Cliente: O que tem de novo para o meu gosto?
- O Garçom: O que o senhor quiser, temos!
- O Cliente: Quero algo que me satisfaça o égo, sem restrição ao ventre, e que não me deixe fora da moda.

O Mestre Sala abre o menú da ideologia, procurando  nas entrelinhas do tudo posso para oferecer ao seu cliente um prato quente, temperado bem a seu gosto.

Assim segundo a Biblia Sagrada, também é pelo gosto do povo que determina-se o sacerdote; conforme a vontade do povo, assim será o sacerdote e não pela vontade de Deus.

"Por isso, como é o povo, assim será o sacerdote; e castigá-lo-ei segundo os seus caminhos, e dar-lhe-ei a recompensa das suas obras."  (Oséias 4 : 9)

O TEMPO DA VERDADE
Lembro-me quando enchiamos a boca alardeando que: Hoje, faremos um "Strogonoff de Braga". Isto implicava que a receita tinha que ser conforme o seu autor; com os seus ingredientes na medida certa para ser de Braga (verdadeiro).

Cortava-se o filé em cubos; meticulosamente tirava-se toda gordura, nervos e  assim o era com todos os demais ingredientes. Era um ritual prazeiroso, pois queria-se servir ao nosso hóspede algo de sabor inigualável.

Hoje, os Strogonoffs da vida são diversificados por regiões, cidades e nações. Há um tempero diferente bem ao gosto do cliente local.

HÁ SEMPRE UM PRATO NOVO NO BIFÊ DA HERESIA
Os pratos o são sem tirar a gordura; a nervura e o fermento. O que salta aos olhos entra pelos ouvidos, e é depositado na alma para desfile na vitrine da vaidade.

O sabor da egocentria reverbera nas multiples linguas de boca em boca propagando a novidade aos clientes de ocasião.

O satisfazer o ventre, engordando a carne em depreciação do Espírito, que desmiliguido encaminha-se trôpego para o seu ocaso; é infelizmente a primazia dos tempos do fim.

O vendo não vêem e ouvindo não ouvem. A excelência da precisão bíblica referenda uma inconteste certeza: "No fim dos tempos os quais seriam dias difíceis de se viver"; porquanto, a verdade seria encoberta em nome da multiplicidade das ofertas de um evangelho de facilidades.

Em nome de uma liberdade em Cristo abre-se a porta para a  licenciosidade. A permissividade está sendo alardeada no: "Em Cristo tudo posso" o qual na verdade "o tudo posso" delineia o livre-arbítrio de cada um de nós; livrando-nos do legalismo judaico.  No entanto, nunca há de esquecer-se de que como advertência está: "Mas nem tudo me convém", complementando o texto em seu contexto.

O pretexto "teológico" de uma "nova visão" (...) é uma cópia moderna da TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO, no sentido de aliviar o fardo, tirando os encargos da santificação, no intento de alargar a porta estreita da salvação.

O jugo do Senhor Jesus Cristo e o fardo leve, não premedita um evangelho light bem ao gosto do fregues; mas, sim é em contraste com o fardo pesado do pecado o qual leva-nos a morte.

A cruz do evangelho ou o evangelho da cruz não se conjuga mais nos dias de hoje no dito pelo Senhor Jesus Cristo que: "Quem quiser vir após mim, NEGUE-SE A SI MESMO, tome a SUA CRUZ E SIGA-ME.

Os "Muitos serão os chamados, mas poucos os escolhidos"; ensejaria que tenha sido uma mera verbalização coloquial de momento do Senhor Jesus Cristo, e sem efeito para os últimos dias? - Será mesmo assim?

Até mesmo a preocupante questão do Senhor Jesus Cristo em Lucas 18:8 em relação a sua volta se: "Porventura na vinda do Filho do Homem encontraria fé na terra?" - Não corroboraria fielmente com o dito de que "Muitos seriam os chamados, mas, poucos os escolhidos.  Como, se não houvesse os fiéis da terra que não se contaminam, seriam só os Josués e os Calebes a entrar na terra prometida.

O embate no campo das palavras nestes últimos dias, reporta gladiadores munidos de filosofias de vida secular, lutando e arregimentando discípulos em contraposto a palavra da verdade divina na dissolução da sua essência.

O baluarte referendado espraia-se no bom vivam do fim dos séculos. O ser diferente do escriturado bíblico são coisas remotas da idade da pedra; porquanto, o dito não é ser igual ao mundo, mas, andar no embalo dele, não inferiria manchas a santidade pré-escrita. - Será mesmo assim?

A maquiagem do mal atingiu o ápice, que o seu brilho ofusca a verdade e a deixa sem o lume do seu efeito.

Até mesmo os escolhidos estão sucumbindo ao rol de uma avalanche de rebeldia, negando a fé ante-vista, não só centenária, mas da mesma forma a milenar.

A palavra está ficando vazia e o gosto amargo da derrota derrama-se nas lágrimas daqueles que amam a Deus e ao seu semelhante, vendo a humanidade caminhar solicita para o abismo.

ASSIM ESPECIFICOU O SENHOR JESUS CRISTO
A semente veraz do evangelho é lançada na terra (corações), mas ela fica vazia, pois a sedução deste mundo nos seus cuidados a tem sufocado para não frutificar:
"E o que foi semeado entre espinhos é o que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo, e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutífera;"  (Mateus 13 : 22)

PORQUE:
"Por isso lhes falo por parábolas; porque eles, vendo, não vêem; e, ouvindo, não ouvem nem compreendem."  (Mateus 13 : 13)

"E neles se cumpre a profecia de Isaías, que diz: Ouvindo, ouvireis, mas não compreendereis, E, vendo, vereis, mas não percebereis."  (Mateus 13 : 14)

"Porque o coração deste povo está endurecido, E ouviram de mau grado com seus ouvidos, E fecharam seus olhos; Para que não vejam com os olhos, E ouçam com os ouvidos, E compreendam com o coração, E se convertam, E eu os cure."  (Mateus 13 : 15)

AINDA HÁ ESPERANÇA
"Mas, o que foi semeado em boa terra é o que ouve e compreende a palavra; e dá fruto, e um produz cem, outro sessenta, e outro trinta."  (Mateus 13 : 23)

Ao Senhor Jesus Cristo sejam dadas todas às honras e glórias no céu e na terra. Amém.

Assim como veio, assim o escrevi.