quinta-feira, 2 de maio de 2013

MUITO ALÉM DO AMANHÃ

Os limites foram sempre o gênero literário mais buscado, dissecado e exposto. Sobre eles versam avanços e retrocessos.

Gravura apenas ilustrativa
Alargar estes limites é o desafio dos que não cabem dentro dos firmamentos que os fundamentam. A tênue cerca divisória entre o vil e o precioso flutua em uma disputa feroz como um cabo de guerra.

A ideologia bambeia o seu "lume" como uma vela numa noite de tempestade. Os que clamam no deserto tem suas vozes abafadas pelos ventos da maresia oportunista.

Porquanto, a porta e o caminho estreito aos olhos da modernidade, não seria bem assim. Conquanto, a porta da salvação precisaria ser alargada e a santidade ab-rogada.

Nunca se viu tantos acordarem que às veredas antigas sucumbiram nos anais do tempo, e os que aindam sobrevivem delas são marcos em uma estrada vazia que precisam ser  derribados.

O estar do lado de Cefas, Paulo ou Cristo excede a razão da palavra e, ela fica vazia e sem frutos; pois a razão dá-se a homens e não ao Criador dela.

Gravura ilustrativa
Muito além do hoje existe um amanhã, e nada mais do que isso porque: Há um tempo determinado por Deus para todas às coisas, para que à luz resplandeça nas trevas; que a noite vire um dia, em que haverá a separação entre o joio e o trigo.

Muito além do amanhã estão ás promessas daquele que mandáva-nos vigiar para que ninguém tomasse a nossa coroa, os quais receberiam a coroa da vida para aqueles que fosse fiéis até a morte.

SE OUVER UM AMANHÃ VIVEREMOS MUITO ALÉM DELE.

Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas. Assim está escrito.