terça-feira, 11 de junho de 2013

OS DIAS DE CATIVEIRO BABILÔNICO SE APROXIMAM VELOZMENTE

Quem poderá dar crédito a nossa pregação? - E quem dará ouvidos o que diz ás Santas Escrituras? - E a quem se manifestará o braço do Senhor?

Certamente, poucos darão ouvidos a leitura dos sinais aos quais prenunciam dias difíceis ao meio do povo chamado para ser santo; poucos entenderão que os dias finais de Israel na Samaria (722 AC.) e os dias de Judá em Jerusalém (586 AC.) são os mesmos dos dias de hoje.

O cativeiro da palavra se aproxima, pois ela está ficando vazia. E assim como é o povo, assim estará sendo o sacerdote; conforme os desejos do povo, assim se submeterá o sacerdote a eles (Oséias 4:9).

O cativeiro da fome; da doença, da morte espiritual, da solidão e do abandono; da depressão e da apostasia se aproxima a cada dia.

Assim como o Rei Zedequias não quis ouvir a voz do profeta Jeremias, preferindo ouvir a voz do povo, e com isso cumpriu-se a profecia; assim se cumprirá o que o Senhor está mostrando e não estamos dando crédito a ELE.

O incenso queimado a rainha dos céus (vaidade) reverbera em cada exemplo do dia a dia como o fora por último em Judá.  Estamos nos corrompendo e não estamos dando conta que a glória do Senhor não está mais da mesma forma como estava conosco.

Será que esperaremos que a glória do Senhor de um todo aporte-se às asas de um Querubim, e saia rumo do norte (oriente) para nunca mais voltar a esta geração?

Porquanto, em Espírito o Senhor traz do cativeiro babilônico, junto ao Rio Kebar, a Ezequiel, para o Templo Dele em Jerusalém, mostrando-lhe as abominações cometidas nas camaras sagradas, as imagens abomináveis pintadas nas paredes.

Quais são as imagens abomináveis que estamos pintando (plantando) na casa do Senhor? Quais são os exemplos que estamos deixando para posteridade? - Quais são os nossos testemunhos, já que somos Dele, pela Sua palavra suas testemunhas?

Que adiantará as nossas harpas estarem nos salgueiros da babilônia, se somos cativos dela, e que a nossa terra prometida tão longe esteja? - Do que adianta pedirem para cantarmos se os nossos louvores não chegarão ao trono de Sua glória?

Qual será o Nabucodonozor desta vez?

UMA VISÃO
Trouxe-nos o Senhor através de um vaso seu, uma visão noturna, que enquanto era pregada a palavra Dele, o qual o povo NÃO DAVA MAIS CRÉDITO A ELA,  e virando ás costas para o pregador, olhava UMA TV que na galeria do templo estava.

A imagem da abominação será mais valorizada que a palavra da verdade. No ponto mais alto do interior do templo a imagem da abominação já atingiu o seu ápice.

SE NÃO RASGARMOS O NOSSO CORAÇÃO NA HUMILDADE, E AS VESTES DA VAIDADE, JAMAIS VEREMOS A DEUS em SUA SANTIDADE, pois sem santidade e a paz com todos NA HUMILDADE, isto nos será negado.

                                          NOS RESTA UMA ESPERANÇA
Temos que rejeitar os manjares do príncipe deste século, para que em tudo sejamos uma mostra da glória do reino Divino.

Porquanto, nós somos o templo do Senhor (I Coríntios 3:16-17; 6:19-20 e II Coríntios 6: 14-18) o qual devemos preservar com humildade, paz e santidade, sem a qual nenhum de nós verá o Senhor.

A esperança que nos resta é que aquele que DER OUVIDOS A VOZ DO SENHOR, A GLÓRIA DO SEGUNDO TEMPLO SERÁ MAIOR QUE A PRIMEIRA EM SUA VIDA. Tudo se fará novo, e não viveremos mais nós, mas Cristo verdadeiramente VIVERÁ EM NÓS; porque, somos nós em Cristo a glória do seu reino