segunda-feira, 17 de junho de 2013

HUMILDADE É IGUAL À SIMPLICIDADE

Se Roma conquistou o mundo antigo pelas armas, a Grécia pelo poder da palavra conquistou Roma. O poder da cultura  da palavra sempre se imporá ao poder das armas.

Porquanto nunca será pela força que se conquistará uma nação, mas pela palavra da sabedoria divina da integração (união).

As grandes conquistas não são feitas ou impostas de fora para dentro, mas sim conquistadas de dentro para fora.

Integrar sempre será melhor do que dividir, pois o que integra une e o que divide espalha.

As leis que são justas acolhem, mas as injustas escravizam, expondo ao impróprio.

Estar no mesmo Espírito é sinônimo de estar na mesma fé. Porque, a fé dividida é contrária ao Espírito Santo que a unifica.

O poder do Espiritualmente correto se imporá aos arroubos do materialmente incorreto.

As grandes conquistas são efetuadas e exercidas no coração que se deixa ser conquistado pela razão justificada pelo poder da palavra divina.

No entanto, o coração duro é como um muro construído do mais pétreo material da rocha da soberba do eu sei; do eu nasci assim; do eu sou assim e do eu não vou mudar.

Muitos DE NÓS até no início de NOSSAS caminhadas rumo a Cristo até NOS encaixamos na PALAVRA DIVINA, mas, os cuidados deste mundo à sufocam, e ela fica infrutífera e vazia.

Assim sendo, a exposição visual\material é a marca inconteste do coração que ainda não foi conquistado pelo poder da palavra da razão que se conjuga pelo verbo da união.

Porquanto, o material se impõe ao Espiritual, o principio do caos da divisão já está arraigado e estabelecido no coração.

O MATERIAL É E SEMPRE SERÁ PARA SERVIR O ESPIRITUAL Quando o material está na frente do espiritual, este se faz servo dele. O cativo faz-se servo do cativeiro

HUMILDADE É IGUAL À SIMPLICIDADE
Se a humildade é igual à simplicidade, e isto é o que justifica o reino divino; o contrário disto é a soberba da vida efetivada nos arroubos da egocentricidade. 

O simples na humildade, a sua maior beleza é a interior, espalhando amor e dedicação a coletividade. Enquanto, o soberbo na exteriorização, procura buscar o amor para sua individualidade.

O que demonstramos por fora nas atitudes, nos atos e nos fatos, é aquilo que somos por dentro. Não tem como ser diferente, pois a árvore se conhece é pelos seus frutos.

Daquilo que estamos imbuídos é daquilo que estamos propondo nas dissensões (contendas), nas dissoluções (alterar a palavra divina), nas sensualidades (exposição vaidosa e lasciva do corpo) a qual está descrita neste blog, em um artigo no link abaixo:


PORQUE, se a humildade NA SIMPLICIDADE UNE é porque a SOBERBA NA INDIVIDUALIDADE ESPALHA (divide).