terça-feira, 9 de julho de 2013

O VENTO LEVOU

Um vento trouxe outro vento, até que um dia o vento dos ventos chegou, e a casa que não estava ainda bem fundada sobre a rocha, balançou, balançou e caiu.

O chão lhe fora tirado; as paredes foram ao léu, e o telhado, o vento levou como a pluma sem destino. O primeiro amor e os sonhos ruíram como um castelo de cartas nos desencantos da lida.

Ser cristão fora um fardo difícil de carregar; a cruz estivera pesada demais e os ombros doridos pelos encargos da faina não suportaram o seu peso, e ela fora largada no chão.

Aquela primeira casa da forma que estava, não suportaria a glória que a ela tinha promessas de vir. De uma certa maneira aquela casa fora construída no ímpeto das emoções, pelos problemas da ocasião, pela necessidade e não pela razão. A casa fora construída pela dor e não pelo amor.

Conquanto, parecia que só restava um tempo de abandono; um tempo sem os encargos da cruz, pois mesmo que tivesse escoras amigas, o ímpeto do vento era mais forte, e ela saiu de cena.

Assim somos nós nos ventos da vida. A tempestade chega, e mesmo que estando dentro da igreja, espiritualmente, desanimados já estamos fora dela.

CONSTRUINDO UM NOVO TEMPLO ESPIRITUAL
No entanto, não é mais hora de desanimar; não é mais hora de pensar em largar a cruz, pois o dono dela já está às portas para vir buscar os seus escolhidos.

O primeiro templo tem que cair sem sairmos da presença do Altíssimo. As fendas (brecha) abertas estão a abalar os alicerces da casa.

O Livro da Lei do seu Deus está perdido dentro da casa

O homem exterior não sustenta mais o interior. É preciso nascer de novo do Espírito para ver o reino de Deus.

Porquanto, é preciso buscar forças no Senhor Jesus Cristo. É preciso nascer de novo interiormente na humildade para que a glória do Dele possa fazer morada em nossas vidas.

É preciso reconstruir, é preciso vencer, para que a glória da segunda casa seja maior que a primeira; o que é a nossa grande esperança.

"Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono."  (Apocalipse 3 : 21)