quinta-feira, 4 de julho de 2013

VIDAS SECAS

Lembro-me quando há muitos e muitos anos atrás vi um filme ainda em  preto e branco sobre uma familia retirante do grande sertão nordestino.

Este filme ganhador de muitos prêmios, oriundo do livro de um dos grandes escritores brasileiro Graciliano Ramos; escrito em 1937 e editado em 1938, conta uma saga na terra da seca e da fome.

Lembro-me também que o povo israelita ao sair do Egito entrara na terra da fome e da sequidão. O grande EU SOU dava-lhe a água e o pão na hora certa, mas o povo estava SECO DE DEUS e do que ELE provia; no entanto, saudoso das iguarias e benessis do Egito.

Os paralelos nos mostram literalmente EM VIDAS SECAS a sede, a fome  na terra da sequidão, e o povo de Deus no deserto, na terra de sequidão, mas com Deus eles tinha água e pão, no entanto, estavam ESPIRITUALMENTE vazios e secos DELE.

O deserto foi necessário para purificação, aperfeiçoamento e total dependência de Deus, sem a qual nenhum deles entrou e nenhum de nós entrará na terra prometida. 

VIDAS ESTÃO SECAS diante de Deus, na terra da liberdade, e da fartura da palavra e do pão.  No entanto, as iguarias e as benessis do Egito estão nas suas mentes e nos seus corações.

É necessário antes da entrada (arrebatamento da igreja) na terra prometida a peregrinação em meio ao deserto para purificação e aperfeiçoamento diante de Deus, daqueles que pretendem adentrar a Nova Jerusalém pelas portas da obediência e total dependência do Senhor.

DIAS DE PROVAÇÃO
Dias virão em que o deserto será ao meio da fartura; a fome não será de pão, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. O deserto será espiritual onde estarão cheios de bens materiais, mas vazios de Deus.

Vidas estão e estarão secas, vazias e sem perspectiva de vida, tendo tudo e não tendo nada. O que têm não lhes satisfará a alma e nem o espírito.

A instabilidade das emoções será como espasmos de uma alma que suspira agonizante na UTI da vida.

Para outros, a prova estará na escassez dos bens de consumo, onde até as provisões elementares oriundas da falta de pecúnia, alinhadas a da auto-estima espraiará em uma crise psicossomática sem precedência, em que a solução para os problemas seria como se fosse uma utopia como a de Jó:

"Quem dera que se cumprisse o meu desejo, e que Deus me desse o que espero!"  (Jó 6 : 8)

No entanto, para Jó ainda existia uma esperança no seu Deus, pois ele achava que na origem dos seus erros estava a solução para o seu martírio:

 "Ensinai-me, e eu me calarei; e fazei-me entender em que errei."  (Jó 6 : 24)

AS PROVAS PARA GALARDÃO
A palavra divina nos diz que em tudo seremos provados para ver se a nossa obra permanece ou não. Provas estas para ver se não negaremos ao Senhor Jesus Cristo, pois é muito fácil não negar o Senhor na abastança do que a na escassez tanto sentimental como monetária. 

AS LIÇÕES
As perguntas que rodam em nossas mentes é a do porque este mal nos sobreveio? - Onde estamos como vítimas, e não como pessoas passíveis de correção se for o caso.

No entanto, a pergunta certa é do para que estamos oprimidos no vale da opressão? - Para que com este conhecimento possamos tirar lições para nossas vidas, e com isto não se fique na contramão da história a qual ficaríamos se não tivéssemos o devido conhecimento da causa.
 
CARACTERÍSTICAS OU SINTOMAS
Virada inesperada no humor; na falta da afetividade, no isolamento e naquilo em que se acreditava. Os valores divinos dantes professados, agora são como plumas ao vento, sem que não haja mais coleta, e outros.

OS PRA QUE'S
Certa vez quanto estava aflito e sem pespectiva de vitória, disse-me o Senhor através de um vaso seu: "Saiba filho meu, que nem o melhor de meus homens venceu sem luta".  Porquanto, é certo que não há vitória sem luta; para vencer é preciso lutar sempre.

Temos ouvido um evangelho de ocasião onde só há felicidades e vitórias. Não há cruz, nem caminho de cruz; onde o dar é sempre pra receber; onde não há espinhos e nem sofrimento.

Há um hino que fala nesta condição supracitada: "Quando vierem às provas o cristão deixa o caminho".

Portanto, nesta condição não há raiz e nem conhecimento, onde nos primeiros temporais irão abandonar a carreira e negar a fé.

Com isso tudo, vemos que os desertos nos são caminhos para o Jordão; para a terra prometida; são meios de purificação e conhecimento do Deus que nós servimos.

VIDAS SECAS
Se estamos nesta condição de decadência comportamental, espiritual ou financeira, muitas vezes é porque algo está errado em nossas vidas.

Algo não está de acordo com a palavra de Deus e não estamos fazendo a leitura certa. Precisamos parar para pensar; buscar para entender; olhar para o Senhor Jesus Cristo o autor e consumador de nossa fé.

Os desertos não são para nos destruir, mas sim para nos edificar, se deles tirarmos a lição apropriada e tomarmos a medida certa.

Porquanto, estes pequenos escritos possam ser um instrumento de retomada de direção; de uma nova vida cheia de bençãos e de felicidade, onde a vida seca será apenas um marco como testemunho na estrada da existência.

Ao Senhor Jesus Cristo sejam dadas todas as honras e glórias para todo o sempre. Amém.