segunda-feira, 21 de outubro de 2013

A IGREJA FACEBOOK

A face do livro ou o livro da face; a face no livro ou o livro na face?

Do literal para o virtual; tiramos a face do livro literal para entretê-la no mundo virtual. Deixamos a revelação do Livro para sermos o livro das revelações.

Estamos deixando de ir a igreja literal para tentar ser uma igreja virtual. Dissemos que enquanto nos entretemos, ao mesmo tempo levamos a palavra aos que já tem a palavra. 

No entanto, estamos deixando as horas dedicadas de estar com a face no Livro dos livros para estar com livro na face.

Perdemos tempo colando figurinhas no face tentando ser amáveis uns com os outros, não que isso seja coisa totalmente reprovável, mas porque delegamos um tempo precioso no levar o evangelho a quem realmente precisa, para ministrá-lo a quem pouco precisa.

Não arredamos o pé da cadeira, os dedos do teclado, os olhos da tela e a mente das amenidades.

O evangelho não tem mais pés para ser levado, boca  para ser falado, mas só dedos para ser letrado.

A espiritualidade está ficando na saudade. Pouco vamos a igreja; não jejuamos; muito pouco oramos e quase nada estudamos o Santo Livro; entretanto, é no face que estamos.

Achamos mais importante memorizarmos o álbum dos nossos feitos, o expondo na fogueira das vaidades, do que escrever a nossa história no livro das memórias na eternidade.

Com a família nem falamos; nem mesmo à mesa nos encontramos, mas é no face que estamos.

Estamos perdendo horas de sono útil a saúde de nosso corpo para desperdiçá-las nas futilidades.

UM DIA A CASA CAI
Assim como Eli engordou ficando sentado, perdendo a visão e a direção da casa, onde caiu e quebrou o pescoço, vindo a morrer, estamos perdendo o rumo de nossas vidas, engordando na cadeira, até que a casa caia.

Estamos nos importando mais em olhar a vida dos outros, do que apresentá-las em intercessão ao Senhor da vida.

Quando vamos nos dar conta que estamos morrendo espiritualmente; que estamos perdendo um tempo precioso de estarmos aos pés do Senhor Jesus Cristo, levando a o evangelho a toda a criatura, para estarmos aos pés do Facebook, não sabemos.

No entanto, o dia que nos conscientizarmos que estamos perdendo o foco do caminho da salvação, para focalizar o caminho da diversão, estaremos tirando os olhos do eu mesmo e os colocando no Salvador da cruz.

CONCLUSÃO:
Se não podemos passar sem ele, é sinal que dele somos dependentes. O vício está estabelecido, e a liberdade amarrada.

Portanto, se a igreja é o caminho para encontrarmos com o Senhor Jesus Cristo, o Facebook e muitos outros afins, na maioria das vezes é o desvio deste encontro.

É tempo de avivamento bíblico, de humildade e boca no pó. É tempo de buscar ao Senhor enquanto Ele ainda está perto.

Não é tempo de perder tempo no tempo, mas tempo de ganhar tempo enquanto ainda é tempo.

Enquanto se diz hoje, não esperemos para fazermos amanhã o que poderíamos termos feito ontem.

Que a graça do Senhor Jesus Cristo possa nos alertar de um dos males mais poderosos do século: "A prisão espiritual e corporal das redes do engano".

É tempo de fazer missões.