sábado, 30 de novembro de 2013

E A UNÇÃO ONDE FOI?


Figura ilustrativa
UNS SÃO E OUTROS NÃO
Certo dia conversávamos com um pastor, servo do Senhor, o qual por uma questão de ética não citaremos o nome e sim simplesmente o chamaremos de "VC",  partícipe ativo de uma campanha de um determinado departamento da igreja. O assunto versava sobre unção, já que este necessitava desta para operar com os dons que o Senhor nosso Deus o capacitara.

A questão era: "Porque a unção divina está a cada dia mais em falta ao meio do povo de Deus em muitos lugares?"

A sua resposta até a princípio pareceu-nos um tanto hilária e descontraída, mas ao meditarmos vimos que tudo o que havia dito fazia sentido:

A resposta do Pr. VC. fora que: Uns são e outros não.

A falta de unção tão presente em nossos dias estava atrelada diretamente a que uns eram e outros não eram. Os que eram pela palavra, viviam pela palavra e detinham a unção e os que já tinham vivido por ela e a deixaram perderam a unção. Porquanto, uns são e outros não, faz sentido.

"Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele."  (João 14 : 21)

A UNÇÃO DIVINA



Está intimamente ligada a manifestação da sua presença  na vida da igreja do Senhor Jesus Cristo. No entanto, esta manifestação só decorrerá DE ACORDO COM A SUA PALAVRA.

Israel perdera a presença do seu criador por profanar a casa e as coisas santas do Senhor, FICANDO FORA DA SUA PALAVRA. Assim também estamos profanando o templo do Senhor, a casa do Senhor, que é os nossos próprios corpos (I Cor. 3:16-17) com as coisas deste mundo.

O povo escolhido em vez de ficar de acordo com o que o Senhor ordenara, preferiu olhar o modo de vida das demais nações que o cercavam.

Da mesma forma olhamos os modismos libertinos dos que nos cercam, sem olhar nas origens de quem veio, para que serve e onde vai nos levar compartilhando o não compartilhável.

No entanto, sabemos que as coisas vem de dentro para fora e não de fora para dentro. As coisas já estão arraigadas no coração, e o corpo apenas reflete o que no coração já está cheio.

A falsa liberdade nos leva na verdade as prisões da carne, em depreciação da santidade ao Senhor; porquanto, o Espírito entristecido toma o rumo do oriente, partindo, cabisbaixo, pois, perdera a morada que lhe era tão auspiciosa.

Contanto, a rebeldia do povo escolhido em fazer o que NÃO AGRADA A DEUS foi a causa direta do afastamento da manifestação divina no seu meio.

A palavra tornara-se vazia e os louvores não passavam do teto do templo.

Quando deixamos o fervor da busca ao Senhor enquanto podemos achar, olhamos para as coisas deste mundo e o gelo nos abrange a alma, levando-nos ao impróprio.

Só o fervor pode manter-nos em ebulição para que o vapor que sobe alegre o coração do Altíssimo, mandando bençãos sem par aos amam e praticam a sua palavra:

"Este era instruído no caminho do Senhor e, fervoroso de espírito, falava e ensinava diligentemente as coisas do SENHOR, conhecendo somente o batismo de João."  (Atos 18 : 25)

"Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor;"  (Romanos 12 : 11)

UMA MEA CULPA
As coisas são cíclicas; elas vem e se vão como vieram; só troca o nome e o lugar. Nada permanece daquilo que o Pai não plantou, muito embora Ele procure frutos nestas lavouras, não os encontrará.

No começo, o primeiro amor é fidedigno, tenaz e exclusivo. O tempo vai passando e a fidedignidade vai sendo deixada de lado; a tenacidade se torna em permissividade e o que era exclusivo, agora é relativo.

A perseverança é abalada, sacudida e derribada pela nossa vontade. "O nada é para sempre", é uma doutrina que cimentou na mente humana como um triste adágio do: "Um pouquinho só não faz mal"; "O que é belo é para ser mostrado" e "Deus não quer o meu corpo, ele quer o meu coração".

AS CONTRADIÇÕES:
As contradições bíblicas do nada é para sempre é "Sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida" (Apoc. 2:10); a do um pouquinho só não faz mal é que "Um pouco de fermento leveda toda a massa" (ICor. 5:6); o do que é belo é para ser mostrado é "Que enfeite não seja o exterior mas em um traje de um espírito manso que é precioso diante de Deus" (I Pedro 3); e a do Deus não quer o meu corpo, Ele quer o meu coração é de que "espírito, alma e corpo tem que ser achado irrepreensível na vinda do Senhor Jesus Cristo" (I Tes. 5:23) 

CONCLUSÃO
Nada somos sem a presença dele. Fora dela não passamos de meros espectadores vindos a casa do Senhor, vendo, ouvindo e saindo vazios da mesma forma que entramos.

Porquanto, a palavra ficará vazia e os louvores não passarão do teto do templo.

No entanto, ainda é tempo de buscarmos a glória do Senhor em nossas vidas, esquecendo-nos da glória deste mundo, para que a glória da segunda casa seja maior do que A DA PRIMEIRA CASA.