segunda-feira, 25 de novembro de 2013

SOLIDÃO, O VAZIO DA VIDA

A razão da vida encontra os seus limites no vazio da alma.

A nudez dos sentimentos desencanta os dias prorrogando o sofrer silencioso de uma vida que se esvai lentamente.

Os planos, os sonhos jazem como cinzas em um passado sem perspectiva no presente, enterrando o seu futuro.

As benesses materiais sucumbem  abatidas pelas dores emocionais.

Assim vai a alma sem esperança na ladeira do seu ocaso; pois, a solidão tornara-se companheira de ocasião.

OS SINAIS DO DESESPERO
São vestígios de almas que embarcam a cada dia em muitos casos em uma viagem sem volta.

É tempo de gritar aos quatro ventos que há uma solução; que há uma saída.

De dizer que só o Senhor Jesus Cristo pode tirar o fardo, preencher o vazio da alma e dar um sentido eterno para as nossas vidas em sua companhia.

É tempo de deixarmos as futilidades, da egocentricidade e nos dedicarmos a coletividade.

Chega de dizer eu tenho razão; de virar às costas e de lavar as mãos.

Temos que valorar as vidas para não chorar depois.

Temos que olhar para o nosso semelhante, deixar de estar distante e estender a mão ao necessitado.

Temos de nos aproximar, nos esforçar e ajudar nesta situação.

No mínimo temos que orar, jejuar e interceder.

CONCLUSÃO:
Quem ainda não conhece uma causa desta? - Quem não esteve ou não está na agonia de um dia mau?

Porquanto, até o ministro do louvor Asafe no Salmo 77 passou e descreveu os seus lamentos nas tempestades da alma.

No entanto, ele reconheceu que era doença sua. Lembrou-se dos tempos de outrora os quais Deus nunca tinha falhado e que tudo pode, que nada era impossível para Ele; que não nos abandona e de nós não se esquece.

Que Ele não quer que NINGUÉM SE PERCA, mas saibam que têm uma herança de vida eterna. Que recuperem a confiança, que renovem a esperança perdida nos dissabores da alma.

De dizer que Ele os ama, e que nós Nele também os amamos.

Que o vazio será preenchido; que dor será recolhida, e que a alegria voltará em abundancia.