sexta-feira, 2 de maio de 2014

TUDO É UMA QUESTÃO DE ESCOLHA

Ser ou não ser ou o que irei escolher?

Se a escolha for boa, boa será a resposta; mas se acaso for má, má será a proposta. Dependendo daquilo que me proponho, ganharei ou perderei esta aposta.

A vida é feita de escolhas; nas escolhas está o nosso futuro; porquanto, nos é deixado, com zelo e muito cuidado, escolher o caminho seguro.

Nas esquinas desta vida, há momentos de decisão, se vou para a direita ou sigo na contramão.

Haverá sempre dois caminhos, num deles a nossa opção; se sigo levando a vida, do jeito que me é querida ou a doo e a nego na troca por salvação.

UMA HISTÓRIA
O homem passa boa parte da sua vida a estragando e a outra tentando consertar. Muitos só procuram o conserto quando esta já está nos meados do seu fim.

Só a dor faz nós refletirmos sobre os tempos até então vividos. Só quando os nossos recursos estão a beira do colapso é que entendemos que tudo o que buscamos não fizeram nenhum sentido, pois os resultados são um produto muitas vezes de dor e de desilusão.

O caminho o qual tenho escolhido descreverá o meu destino.

A minha e tua história somos nós que a escrevemos. Tudo está nas nossas mãos pelo simples dote divino da livre escolha.

A vitória ou a derrota estão no campo das escolhas as quais fizemos.

São pelos nossos frutos que somos observados, conhecidos, seguidos ou execrados. Ainda é pelos seus frutos que se conhece a árvore.

Não pode uma árvore má produzir bons frutos e nenhuma árvore boa produzir maus frutos. Porquanto, de uma fonte não pode emanar duas águas.

Aquilo que plantamos é daquilo que vamos colher.

O que temos plantado é a lavoura que irá ser observada, provada, aprovada ou reprovada.

O VALE DA DECISÃO
Estamos na esquina de nossas vidas, pois a vinda Daquele que vive e reina eternamente se aproxima da sua consumação.

Muitas vezes é no VALE DA DOR que fizemos a escolha de viver para o Senhor Jesus Cristo, a qual  temos postergado em prol de uma vida espraiada nas benesses da carne. 

Há dois caminhos e uma só escolha. Não temos como servir a dois senhores; porquanto, NÃO HÁ CAMINHO DO MEIO.

Esta máxima determinada pelo Escriturado Bíblico exemplifica que somos frios (afastados de Deus) ou quentes (comungados com Deus), e jamais mornos, em uma fase intermediária a qual  é inexistente na concepção da vontade divina.

Há uma fundamental separação do próprio e do impróprio; do puro e do impuro; do precioso e do vil, e do santo para o profano. O que pertence a um reino não pertence ao outro.

Distingue-se um caminho do outro pela diferença estampada no semblante, na maneira de andar, falar e no agir.

Se sou misto (mestiço/samaritano), caracterizado entre dois extremos,  serei citado como morno ou porfiante pelo caminho do meio.

Há que se fazer uma escolha, e nela registrar a nossa história em um dos livros da vida eterna com o Senhor Jesus ou no sofrimento com o outro.

Está nas minhas e nas suas mãos fazermos escolha adequada, pois próximo está o vale da decisão (não a reservada para o povo israelita do profeta Joel).

O SENHOR JESUS CRISTO É A ESCOLHA CERTA
Se o escolho, tenho que negar a mim mesmo para que não viva mais eu, mas ELE viva em mim. Tenho que abandonar o mundo mesmo vivendo nele.

Tenho que reconhecer que sou peregrino nesta terra, a qual estou só de passagem com o devido fim de resgatar almas preciosas para o Reino de Deus.

Não olho para a direita e nem para esquerda, mas olhando firme para o alvo, o qual é o Senhor Jesus Cristo a escolha certa.

Não sigo o conselho dos ímpios e nem me assento na roda dos escarnecedores, mas antes tenho meu prazer na lei do Senhor a qual medito de dia e de noite.

Conquanto, estaremos como árvores plantadas a beira do ribeiro que provém do trono da graça de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo; dando o fruto no seu tempo para saciar a fome e a sede daquele que está a beira do abismo e espera de nós uma palavra de vida eterna com Cristo.

SER OU NÃO SER, EIS A QUESTÃO?