segunda-feira, 28 de julho de 2014

POSSESSÕES MALIGNAS, A PSICOLOGIA, A VERDADE E A FANTASIA

Visualizando um programa dominical tivemos a triste constatação de que a palavra está ficando esvaziada; de que o uso da psicologia em muitos casos substituiu a revelação; e que o estudo secular diz-se estar com a razão.

Há um confronto do literal com o espiritual; da luz com às trevas, e da ciência com a palavra.

Para parte da ciência às trevas não existem, tudo é explicável, pois o literal explica o dito espiritual, e a palavra FICA COMO UMA MERA FANTASIA.

Os caminhos da fé estão no cumprimento e no lume das palavras do Senhor Jesus Cristo: "Será que quando da vinda do Filho do Homem encontrará fé na terra?" (Lucas 18:8).

Com o tempo a oração e a revelação perderão a sua ação para dar lugar para a explicação do inoportunismo da filosofia, do humanismo e da psicologia.

Por certo está que cada um tem a sua área de atuação, pois cada um tem os seus casos distintos. Porquanto, a medicina e os seus afins foram instituídos por Deus; NO ENTANTO, o que é para Ele operar ninguém pode impedir, pois operando Ele quem impedirá?

O que é da área espiritual só Deus pode agir para libertar, curar, batizar com Espírito Santo e salvar. Isto são áreas que a ciência não pode explicar, pois milagres não se explicam, pois não provém de uma ação humana, mas de uma realização divina. 

POSSEÇÃO MALIGNA
Desconhece-se que o mundo literal é governado pelo mundo espiritual; que se está sob o jugo da luz no Senhor Jesus Cristo ou se está sob o jugo das trevas com o outro.

Só quem já foi passivel de uma posseção maligna, e foi liberto pelo poder da oração, como este que vos fala, E TANTOS OUTROS é que podem testemunhar da ação divina nas suas vidas.

As coisas que são de Deus não estão no falar, no só conhecer-se e no analisar para interpretar, mas no crer para justificar; porque, a palavra divina por si se interpreta.

Os fatos não estão no âmbito do conhecimento humano ou no poder da sua palavra, como diz o apóstolo Paulo aos Coríntios:

1  E EU, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não fui com sublimidade de palavras ou de sabedoria.

2  Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado.

3  E eu estive convosco em fraqueza, e em temor, e em grande tremor.

4  A minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder;

5  Para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus.


UMA SABEDORIA QUE NÃO É DESTE MUNDO, MAS OCULTA EM MISTÉRIO

6  Todavia falamos sabedoria entre os perfeitos; não, porém, a sabedoria deste mundo, nem dos príncipes deste mundo, que se aniquilam;

7  Mas falamos a sabedoria de Deus, oculta em mistério, a qual Deus ordenou antes dos séculos para nossa glória;

8  A qual nenhum dos príncipes deste mundo conheceu; porque, se a conhecessem, nunca crucificariam ao Senhor da glória.

9  Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, E não subiram ao coração do homem, São as que Deus preparou para os que o amam.

10  Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus.

11  Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus.

12  Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus.

13  As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais.

O SOFISMO NÃO EXPLICA AS COISAS QUE SÃO DE DEUS

14  Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.

15  Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido.


PORQUE QUEM CONHECEU A MENTE DE DEUS PARA INSTRUÍ-LO?

16  Porque, quem conheceu a mente do SENHOR, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo. (ICoríntios 2).

A MECANIZAÇÃO DA PALAVRA
Com a mecanização cientifica inoportuna da palavra da fé, a unção e a operação divina são como meros coadjuvantes sem efeito algum numa estrada de um jogo de palavras e interesses pessoais.

A FANTASIA
Se desconhecemos as causas e os seus efeitos, e arbitramos nelas indevidamente, flutuamos no mundo da fantasia, onde, quando cairmos por terra, a realidade será indigna de estarmos com Deus através da sua palavra.