terça-feira, 5 de agosto de 2014

A GUERRA

"E, quando ouvirdes de guerras e de rumores de guerras, não vos perturbeis; porque assim deve acontecer; mas ainda não será o fim."  (Marcos 13 : 7)


Na mostra reportada da guerra Israel x Faixa de Gaza por um programa televisivo, vimos a contundência e o estrago sem volta nas familias envolvidas. A morte é o rescaldo de uma intolerância que excede os dias contemporâneos e aporta nos anais da Bíblia.

A guerra nasce no interior da alma com uma ira fulminante; espraia-se no exterior com feridas e mortes, enlutando o interior dos sobreviventes.

Ela nasce na ira e morre na dor.

A nossa maior guerra é a interior, onde o combatente luta desesperadamente contra o EU interior para que os estragos não sejam feitos no exterior.

"DE onde vêm as guerras e pelejas entre vós? Porventura não vêm disto, a saber, dos vossos deleites, que nos vossos membros guerreiam?"  (Tiago 4 : 1)

Quando o EU INTERIOR ganha é sinal que o alvo já foi planejado; que o ataque será executado, e que os mortos e feridos já estão contabilizados.

A mãe de todas as batalhas é para que se vença a guerra com a derrota do "EU SOU", e a vitória do "ELE  É, E VIVE EM MIM".

JESUS CRISTO: "E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me."  (Lucas 9 : 23)

Se o Senhor Jesus Cristo não estiver na nossa vida como Príncipe da Paz, não seremos pacificadores, mais sim contendedores.

Onde há guerra é porque não reside o amor a Deus e ao próximo.

Onde há a guerra, há disputas, invejas, malícias e dissensões.

Onde há guerra, o que veio para matar; roubar e destruir é o que está presente; e o dono da vida por mais que se queira é o grande ausente.

Porquanto, como posso amar a Deus que não o vejo, se odeio o meu irmão a quem o vejo?

Ao que peço a dádiva estou em paz, mais a quem eu devo dádiva eu executo a guerra.

São dois pesos e duas medidas que não encontram paralelos para que possa salvar a minha vida.

Balança enganosa mais que todas as coisas é o nosso coração, e perverso, quem o conhecerá?

Por isso, sobre tudo o que devemos guardar, guardamos o nosso coração, porque, dele procede as saídas para a vida; pois, se não buscarmos ter a paz com todos e nem a santificação, nossa morte já é certa, e perdida está a razão.


Se não negarmos a nós mesmos para seguir ao Senhor Jesus Cristo que é humilde e manso de coração, perdida está a razão.

Portanto, em guerras e rumores de guerra, só "O Senhor Jesus Cristo" é a solução.