terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

SENSÍVEL, INSENSÍVEL OU HIPERSENSÍVEL - O QUE ME CABE OU O QUE ME TOCA?

Alguns que estudam a índole do comportamento humano nas mais diversas e adversas situações apresentadas, dizem que há três tipos básicos a serem observados:

1) O Sensível
2) O Insensível
3) O Hipersensível

1. Nestes casos resumidamente se diz que o sensível quando é tocado pelas circunstâncias adversas geradas pelo próximo, que ele se compadece, e que age positivamente em vista da situação apresentada. Isto demonstra que ele sabe defender-se dos contras, e aciona os prós daquele fato, chegando a um bom termo neste impasse. É o dito do limão faz-se uma boa limonada.

Os estudos mais apurados dizem que o sensível é UMA PESSOA REATIVA no bom sentido, como nesta pequena mostra do site abaixo:

http://www.apsicologa.com/2014/02/pessoas-sensiveis.html
"Uma pessoa sensível NÃO é uma pessoa birrenta. Não vai abaixo a cada crítica, a cada chamada de atenção. Não fica deprimida porque o chefe não valorizou os seus esforços ou porque um “amigo” não esteve à altura das suas necessidades. Uma pessoa sensível possui um autoconhecimento elevado. Conhece as suas limitações e os seus defeitos. E procura trabalhá-los. Reconhece que não tem sempre razão e deixa-se influenciar por aqueles a quem reconhece mais experiência, mais valor ou pura e simplesmente… mais sensibilidade."

2. Já o Insensível tem como característica de não compadecer-se do próximo, preditando que este tem que virar-se por si mesmo, e ou que outro lhe estenda a mão. É o nada lhe toca, onde descarta a coletividade do bem de todos, pela individualidade do eu próprio.

Como exemplo podemos ver também numa pequena mostra do site abaixo:
https://curitibapsicologa.wordpress.com/2012/05/15/pessoa-insensivel/
"Algumas pessoas têm dificuldades em dar carinho, apoio, compreensão porque elas não receberam isso durante a vida, não entendem, ou tiveram alguma questão emocional que ficou mal resolvida. Isso interfere e prejudica a elas darem e também receberem dos outros."
3. E o Hipersensível é aquile que tudo sente (sensibilidade a flor da pele), se condói, mas na maioria das vezes não age, e não tem defesas contra as condições indesejáveis as quais encontra.

Alguns estudos que são PESSOAS ALTAMENTE SENSÍVEIS como o exemplo do site abaixo:
http://psicologousp.blogspot.com.br/2008/01/pessoas-altamente-sensiveis.html

  • Você costuma se sentir constantemente mal compreendido pelas pessoas, mesmo tentando se aproximar delas do teu jeito ? 

  • Sente-se muitas vezes rejeitado, como se o mundo o desaprovasse ?


  • É muito sensível a dor e aos sentidos em geral? Não suporta muito barulho e luzes muito intensas ?


  • Não gosta de situações de mudança? Sente-se extremamente desconfortável nestas ocasiões?


  • É extremamente escrupuloso ? Possuí princípios de justiça e de verdades que procura zelar a qualquer preço, mesmo que muitas vezes se choque com os outros e suas opiniões e comportamentos distintos ?


  • Espera demais das pessoas que mais ama, mas se frustra facilmente ao não ser correspondido em suas expectativas ?


  • É intensamente romântico, fiel e sensível nos relacionamentos afetivos; carente de mais afeto e compreensão por parte do companheiro ?


  • É afetado facilmente pelo humor desfavorável do outro ? Não tolera ambientes familiares ou de trabalho desfavoráveis ? Não suporta ter de lidar com conflitos e animosidades ?


  • Sente-se desvalorizado e se auto-deprecia.? Não vê como usar sua sensibilidade a seu favor ?

Na ciência consta que ela tem os seus meios para tratar cada uma destas condições adversas do comportamento humano. Porquanto, como no caso das pessoas altamente sensíveis as quais estão mais propensas a entrar em depressão.

No entanto, há, e haverá casos em que ela a ciência nem sempre terá a resposta nas suas terapias apresentadas, pois a resposta não está nela, mas nos labirintos da alma em que só no Senhor Jesus Cristo a pessoa encontra a saída para os seus males na vida.

Conquanto, só a palavra do Senhor entra na divisão da alma e do espírito; onde nenhuma ciência humana pode adentrar; onde nenhuma droga por mais poderosa que seja pode fazer o efeito curativo. Ela pode até amenizar, mas não pode curar, pois nestas condições o natural não pode sobrepor o sobrenatural.

A figura do mundo literal encontra sustentação no mundo espiritual.

E ou se está sob o domínio e aceitação do Senhor da vida, e vida em abundancia ou se está sob o domínio e aceitação do senhor da morte; daquele que veio para matar, roubar e destruir.
São dois caminhos, e uma só escolha.
Na grande maioria das vezes podemos ATÉ DESCONHECER as causas e seus efeitos de estarmos sob o domínio de um reino ou de outro, mas na medida que estes se tornam conhecidos, temos a opção de dar um fim ao nosso sofrimento.

O amado e querido Senhor Jesus Cristo é o autor e consumador da fé; Nele estão escondidos os tesouros da ciência e da sabedoria de todas as coisas, como a dos males da índole humana.

Quando Ele diz: "Vinde a mim TODOS os que estais cansados e oprimidos, e EU vos aliviarei", implica em ter a AUTORIDADE E COMPETÊNCIA para tirar o fardo pesado das nuances da vida.

Nesta premissa de autoridade e competência estão inclusas todos os destemperos da vida. Não há situação por mais remota que seja, que ELE segundo a Sua excelentíssima vontade não possa temperar e dar um gosto na vida.

A ciência foi criada e instituída por Deus nas revelações a seu tempo de alguns mistérios da vida, mas no entanto, há outros mistérios que só aos pequeninos, aos humildades e mansos de coração poderão entender e encontrar descansos para as suas combalidas almas.

"Aprendei de mim que sou HUMILDE E MANSO DE CORAÇÃO, e encontrareis descansos para as vossas almas." - Porquanto, Eu sou o caminho, a verdade e a vida e NINGUÉM VEM AO PAI A NÃO SER POR MIM.

Quem tiver a sensibilidade de entender e praticar as coisas que são de Deus, estará com toda a certeza suscetível  ao amor, a felicidade, a salvação e a eternidade COM O SENHOR DA GLÓRIA, de geração em geração.

Assim nos veio, assim o descrevemos. Amém.