sábado, 14 de março de 2015

MELINDRE

DICIONÁRIO:

(me.lin.dre)
substantivo masculino (sm.)

1. Dúvida de natureza ética ou de consciência
2. Facilidade de magoar-se
3. Delicadeza no trato

Há pouco tempo atrás venho-nos a inspiração para que falássemos sobre sensibilidades em um post neste blog conforme link abaixo:


Artigo este, onde discorre-se sobre os três tipos básicos de sensibilidade; e dentre os quais destaca-se o hipersensível, e ou seja, resumidamente é todo aquele que tem a sensibilidade a flor da pele, e que não tem uma defesa plausível para as mais diversas situações que lhe são adversas.

No caso do melindre, do melindroso, encaixa-se quase como uma luva nos casos de hipersensibilidade.

Mas o que o blogueiro quer dizer com isso? - Por um acaso seria um psicólogo ou é apenas um mero aventureiro metendo-se em assuntos que compete somente aos profissionais desta ciência?

Em absoluto, jamais estaríamos advogando em defesa própria ou até mesmo adentrando em campo alheio; no entanto,  estamos apenas discorrendo sobre um assunto MAIS MELINDROSO DOS TEMPOS DE ENTÃO; onde é o que mais ocorre no meio evangélico à nível mundial.

Estamos nos tornando hipersensíveis, melindrosos, com os sentidos a flor da pele; qualquer coisa nos magoa; estamos achando que tudo que é dito tem o nosso endereço, e com isso criamos caso com tudo e com todos.

A irmandade, os amigos são um perigo para nossa sobrevivência espiritual. É como o inimigo estivesse na nossa trincheira, e nós fossemos o alvo, a vidraça mais fina, que apenas uma mera brisa pode nos fazer em cacos.

Estamos melindrosamente a fino trato, onde a verdade não pode ser pregada; o pecado não pode ser citado, e só queremos ouvir elogios, prosperidades e coisas que possam satisfazer o nosso afável ego.

Qualquer pregação, artigo de face, jornal e outras mídias é um acinte ao nosso trabalho, vida ou a outros procedimentos.

Olhamos o pregador e os desmereceremos, e não olhamos a palavra pregada na sua essência; não nos examinamos a nós mesmos, tirando o EFEITO DA PALAVRA, e a contundência dela.

REALMENTE, PRECISO ME CONVERTER; ainda sou menino na fé, só quero ser estilingue e nunca ser vidraça. As críticas construtivas alardeadas pela palavra divina são sempre para me derrubar e nunca para me edificar?

Hoje, paro e penso; nunca dei tanto valor aos ditames da sabedoria popular quando mamãe dizia-me Filho:

"O QUE ARDE É O QUE CURA; O QUE APERTA É O QUE SEGURA".

Se me ardia o lombo quando me corrigia, logo podia pensar que mãe mais desalmada?

Se me segurava nas minhas criancices era porque sempre queria o meu mal?

Lembro-me de que da mesma feita, se não queria estar de acordo com a palavra, com os preceitos da vida em família, ela já prontamente referia a este ditame a quem quer que seja:

"OU TROTEIA OU SAI DA ESTRADA" - "PORQUE QUEM NÃO AJUDA NÃO ATRAPALHA".

Não posso ser pedra de tropeço para Deus, com os meus superiores (ministros do Senhor), para os meus irmãos, em desacordo com a palavra só para alimentar egos, vaidades, e sensibilidades. OU POSSO?

PARA VINDA DO SENHOR JESUS CRISTO É NECESSÁRIO QUE SE PREGUE O ARREPENDIMENTO:

Neste prisma SUPRACITADO o arrependimento NUNCA PODERÁ SER PREGADO!

Pois falar em corrigir-se os erros, em transgressões ou até em acertos já se provoca o melindre, o acinte aos brios, aos dodóis.

Parece-nos que Deus só fala conosco, e que os outros não são usados por ELE como mensageiros, profetas ou até mesmo por dissertar sobre um simples comentário Bíblico?

A VOZ DO QUE FALA NO DESERTO
Nesta condição João Batista como aquele que prepararia o caminho do Senhor pregando o arrependimento como deve ser pregado agora na ante-vinda do Senhor Jesus Cristo, perderia a cabeça no primeiro encontro com a turba.

Ele não poderia dizer: "Produzi, pois frutos dignos de arrependimento, pois o machado já está a raiz?"

Ele jamais poderia dizer: "Raça de víboras; quem vos ensinou a fugir da ira futura?"

NÃO SUPORTAREMOS A SÃ DOUTRINA?

O apostolo Paulo nas suas ultimas recomendações a Timóteo seria tachado do que?

II TIMÓTEO 4:1  CONJURO-TE, pois, diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu reino,

2  Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina.

3  Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências;

Nos últimos tempos (dias de hoje) não quereremos SUPORTAR A SÃ DOUTRINA, porque ela produz cortes na carne, desconforto aos nossos deleites e feridas em nossos egos.

NO ENTANTO, O EVANGELISTA DO SENHOR TEM SOFRER E CUMPRIR O SEU MINISTÉRIO:

II TIMÓTEO 4:5  Mas tu, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério.

CHEGA DE MELINDRES; CHEGA DE CRIANCICES! 

Vamos restabelecer as unidades, a palavra e as amizades.

Vamos parar de divisões, de inimizades e de dissoluções.

Chega de indiretas, de criancices e de não comunhão.

A obra não é nossa, mas do Senhor Jesus Cristo.

Vamos somar e não dividir, PARAR de derrubar, e só construir.

Aquilo que erramos, pedimos perdão.

Vamos dizer que no Senhor Jesus Cristo te amamos, e isto tem de ser de coração.

"Leais são as feridas feitas pelo amigo, mas os beijos do inimigo são enganosos."  (Provérbios 27 : 6)

Amém.