segunda-feira, 4 de abril de 2016

COISAS JUDAICAS - YOM KIPUR



YOM KIPUR - O DIA DO PERDÃO

Tivemos a autorização para divulgarmos artigos de Rosh Gilberto do meio judaico, ao qual sinceramente agradecemos.

Conquanto, através destes prestimosos artigos ficamos informados sobre o pensamento de alguns judeus Messiânicos, a respeito do antes e o depois de Cristo nas suas nuances.

Rosh Gilberto
22 de setembro às 13:34 · São Paulo · Editado · 

É no Yom Kipur que somos perdoados?

Até o ano 70 da EC, todos os anos no dia 10 do sétimo mês do calendário de Israel, o Koen haGadol (o sumo sacerdote) subia ao altar no Templo para cumprir ali o que fora ordenado pelo Eterno neste dia.

Levítico 16 descreve que no dia 10 do sétimo mês um bode seria sacrificado pelos pecados do povo de Israel, e que um bode vivo seria levado ao sacerdote, onde ele confessaria os pecados do povo sobre a sua cabeça e depois levado ao deserto e lá seria solto.

O que significa isso visto que as pessoas deveriam, sempre que pecassem, levar um sacrifício por si mesmos, a qualquer tempo ao sacerdote por causa do seu pecado, e não somente no sétimo mês.

Fica claro que no Yom Kipur o sacrifício é pelo povo, é um sacrifício coletivo, para quando o povo pecasse, e não por um pecado pessoal.

Em nenhum texto da Torá diz que neste dia em especial o nosso nome será registrado no livro da vida, nem que acontecerá algo de sobrenatural nesta data. E nem diz que em Yom Kipur o perdão seja mais eficiente ou poderoso do que nos outros dias.

Não temos referências de que algum dia isso iria mudar, mas após a destruição do templo no ano 70EC, não haveria mais a possibilidade de serem feitos os sacrifícios como previsto, e os koanim não tinham mais o que fazer sem o altar.

Não entendendo, ou aceitando que Yeshua é o nosso sacrifício perfeito, Yochanan ben Zakai, o rabino mais importante daquele momento, no ano 90EC deferiu a ordem de que, uma vez que o Eterno permitiu a destruição do Templo, então era porque ele estava obsoleto e declarou que todos os judeus seriam justificados por ler a Torá, fazer tefilá e tsedaká, dispensando o sacrifício de animais.

Desde então o Yom Kipur começou assumir uma importância cada vez maior na comunidade judaica, como se vê hoje.

Nós messiânicos, porém, não podemos aceitar isso assim, afinal sabemos que o perdão dos pecados só é alcançado, nesta era, através do sacrifício de Yeshua, e não em um dia específico

Desta forma então, como devemos celebrar o Yom Kipur?

Simples, afligiremos o nosso corpo como ordenado, mas não haverá sacrifícios. 

Reconhecendo que só Yeshua perdoa, devemos reconhecer que a comunidade judaica tradicional, não messiânica, precisa ser salva, portanto vamos interceder intensamente pela sua salvação. 

O que os sacerdotes faziam no antigo pacto, agora nós fazemos, oramos para que o Eterno os convença sobre Yeshua e eles sejam perdoados dos seus pecados. 

O Yom Kipur é para nós um grande dia de intercessão.

Por causa disso, hoje, a cada Yom Kipur esqueça os seus pecados, eles já devem estar resolvidos com Yeshua Mashiach, lembre-se do compromisso que Shaul assumiu em Romanos 10, que seja o nosso compromisso também, a salvação dos judeus e daremos ênfase nisto em nossas reuniões.

Shalom.